Escrito em por

Capital de Giro

CDI
O principal fator de correção e referencial adotado por todo mercado financeiro brasileiro é o CDI. Vamos tratar neste post como efetuar cálculos em % do CDI com precisão.

Primeiramente, gostaríamos de explanar sobre um ponto muito interessante desta taxa: por que todo o mercado financeiro usa, acredita e se norteia pelo CDI e não por outros indicadores?

A Taxa DI Over Extra Grupo Cetip, ou simplesmente CDI, é uma média das taxas da quase totalidade dos negócios realizados entre os bancos locais. Dito isso, o CDI é uma referência para a maioria das operações no mercado brasileiro, seja como medida de comparação, indexação e entre outras aplicações. O motivo de tamanha importância e aceitação pelo mercado como referencial justo é a sua origem, ou seja, é fruto de negociações entre banqueiros, os agentes mais capacitados na arte de aplicar e captar dinheiro.

A credibilidade de que a taxa tem procedência dos negócios extremamente disputados por instituições, as quais tem o domínio quase ou totalmente completo da informação, é o diferencial do CDI. Caso queiramos uma taxa com abrangência global a que se tem como referência, é a LIBOR. Esta é uma média dos negócios realizados entre os banqueiros de Londres, uma das praças financeiras mais importantes do mundo. Para maiores informações sobre a LIBOR, checar o eBook no link: Como calcular operações com LIBOR.

A partir de 01/01/1998 o CDI passou a ser divulgado e especificado como uma taxa ao ano, por 252 dias úteis, capitalização exponencial e postecipada. Embora seja expresso em taxa ao ano, é aplicada para um dia útil.

Seguem 2 exemplos:

I – Quanto é R$100.000,00 corrigido a CDI, do dia 10/09/14 a 12/09/14 sendo, a taxa CDI divulgada para 10/09/14 igual a 10,84% e para 11/09/14 igual a 10,81%

CDI Clique na imagem para ampliá-la

II – Utilizaremos os mesmos dados de I mas agora aplicaremos uma correção de 130% do CDI

CDI Clique na imagem para ampliá-la

Observe que quando efetuamos o cálculo com 130% do CDI, aplicamos o percentual de 130% sobre a taxa diária. A especificação deste cálculo é muito praticada, mas pouco divulgada. Quando se diz 130% do CDI, está implícito que a remuneração de 130% do CDI diário.

Fique atento: a prática corrente de quando se negocia uma operação no formato CDI + Taxa, é que a parte referente ao CDI é: 100% do CDI. Alguns poucos bancos cobram percentuais superiores a 100% do CDI + Taxa ao mês. Já observamos casos de cobranças de até 112% do CDI + Taxa ao mês. Isso não é explicitado nas negociações, e nem é deixado claro nos contratos.

Tentativas de cobranças indevidas são frequentemente absorvidas pelos incautos, e também frequentemente estornadas, sem muitos questionamentos, pelos bancos quando flagrados.

Uma outra forma de calcular correções, em CDI, fora do padrão é feita pela CEF (Caixa Econômica Federal). Esta usa a taxa do CDI defasada em 1 dia útil. Não enxergamos qualquer motivo que justifique esta prática, cabendo salientar que mesmo de forma confusa essa defasagem consta do texto dos contratos da CEF.

Para mais detalhes, fórmulas, exemplos e planilhas, baixe neste link o eBook: Cálculos e Negociações de Operações de Capital de Giro. Este eBook abre a “caixa preta” dos bancos e você irá executar cálculos com precisão e economizar muito dinheiro.

Quer entender amplamente as fórmulas e aplicações do cálculo do Capital de Giro?

Baixe grátis nosso eBook e tenha acesso às melhores informações sobre Capital de Giro